Domingo, 20 de setembro de 2020 | 14:40

Barra Mansa - 05/06/2017 | 19h25m

Professor lança projeto de “mangá” em Barra Mansa

Barra Mansa
O Colégio Municipal Washington Luiz, no bairro Saudade, tem uma Biblioteca de Mangá (história em quadrinhos de origem japonesa).

O espaço foi inaugurado na tarde de segunda-feira, 29 de maio, iniciativa do professor de História, Geografia e Ética da unidade, Maxwuell da Silva Alves, autor do projeto “Incentivo ao hábito da leitura através da leitura de mangá”.

- Ao ter conhecimento do ranking de um órgão ligado à UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) sobre a posição do Brasil em relação ao hábito de ler dos jovens em 2016, idealizei o projeto. Antes de mostrar à direção da escola, conversei com os alunos e observei o interesse, que despertei ao apresentar a ideia – explicou o regente há dois anos na unidade.

Para formar a biblioteca, Max pediu ajuda a uma amiga. “Ela tinha trabalhado com um grupo de Cosplay (termo em inglês formado pela junção das palavras costume (fantasia) e roleplay (brincadeira ou interpretação), hobby onde os participantes se fantasiam de personagens fictícios da cultura japonesa) e ao divulgar meu projeto, teve apoio de colecionadores de mangás, que gostaram e doaram 240 exemplares” – disse o professor.

Segundo Max “é interessante, que o aluno conheça outra cultura. A Universidade de Mato Grosso do Sul tem uma linha de pesquisa, que trabalha somente com HQ (histórias em quadrinhos) a nível de graduação” – destaca, informando os primeiros passos de outros projetos também no Washington Luiz: Oficina de História em Quadrinhos e Oficina sobre a Cultura Japonesa.

De acordo com a diretora adjunta Laura Cristina Barbosa, a Biblioteca de Mangá trouxe mais um incentivo aos jovens. “Estamos abertos a projetos como esse e a iniciativa do professor Max teve adesão de todos, principalmente dos alunos, que estão muito interessados na leitura desses livros.”

DOAÇÕES - A Biblioteca de Mangá funciona às segundas, terças, quintas e sextas-feiras de manhã e à tarde. No local, os livros estão sob os cuidados da professora Márcia Quintiliano. Doadores podem entrar em contato com o professor Max pelo fone (21) 98163-7062 ou e-mail maxhistorian@gmail.com