Sábado, 6 de junho de 2020 | 23:36

Editorial - 25/02/2019 | 19h11m

Limitações

Ainda que a palavra “liberdade” passe o conceito do que é amplo e ilimitado ao homem, a sociedade, por determinado campo de visão, nada tem com a estrutura diária que o termo solicita. Por exemplo, com o texto original da lei da Reforma da Previdência, muitos servidores públicos e da iniciativa privada lançaram mão da aposentadoria antes da discussão e aprovação em Brasília, temendo perder direitos já adquiridos ou cair no fator previdenciário, preferindo cessar o tempo de trabalho, que arriscar mudanças futuras.

Outro exemplo envolve os mais jovens. Que perspectiva de futuro há de se desenhar para pequenos no buscam na rede pública de ensino, um sistema de avanço e qualidade educacional que valha concorrer a uma vaga no mercado de trabalho na disputa com um aluno da mesma idade, matriculado e frequentando os bancos do sistema particular de ensino?

Para os dois casos acima, as limitações mostram o cenário político e social do que temos e do que chegará nos próximos meses no Brasil.

Ainda temos o Direito limitado numa sociedade onde a lei registra “que todos são iguais e que têm os mesmos Direitos e deveres”.

Ainda temos a “emoção” batendo forte, quando o assunto é Medicina e uma vida perde-se no cenário financeiro daquele que devia investir sua formação para salvar o próximo e não colocar um ponto final em sua história. Aliás, o que mais se verifica em hospitais públicos é o caos generalizado enfrentado por tantas vítimas distantes do que o dinheiro pode oferecer nas mãos de representantes da Saúde e da Educação. Nessa hora não tem sentimento. Não tem dó. Não tem emoção. Não tem insegurança. Não há dúvida. Ou paga ou apaga.

Sempre aposto no investimento em “Educação” para um caminho melhor. É a única maneira de mudar o futuro pessoal. É um caminho longo, mas fixo em dias melhores, em salários melhores, em aposentadorias melhores e tudo isso com raras exceções e nessa história, não tem meio termo: ou investe-se em Educação ou fica-se no caminho. Não existe meio termo. Fato.

Eliete Fonseca
Jornalista Profissional
Registro 18.902-RJ